Mercado do Bolhão – Porto

Lê-se em 8 minutos

Mercado do Bolhão

História

Decorria o início do século XIX quando a Câmara do Porto adquiriu um terreno no centro do Porto, onde viria a ser implementado o actual Mercado do Bolhão. Inicialmente este local não dispunha das melhores características, era na verdade um lameiro, por onde passavam vários cursos de água. Mas foi destas más condições de onde proveio algo que prevalece até aos dias de hoje. Lenda ou não, consta que a abundância de águas resultantes de uma nascente era tal que até formava bolhas de água, grandes bolhas de água, bolhões.

Mercado do Bolhão
1837 - Planta topográfica dos terrenos destinados ao Bolhão e primeiros esboços / Topographic plan of the land intended for Bolhão and first drafts. Arquivo AMP

Ainda sem ser conhecido como Mercado do Bolhão, foi neste local onde se começaram a instalar comerciantes e a desenhar os primórdios deste típico mercado. A forte popularidade deste mercado, bem como e necessidade de o Porto ter no centro da cidade um mercado que o abastecesse, impulsionou a sua gradual melhoria, levando a que no início do século XX já existisse um apresentável mercado a céu aberto composto por bancas e ladeado por gradeamento e frequentado por todas as classes da sociedade Portuenses.

Mercado do Bolhão
Vista do antigo Mercado do Bolhão, onde se vê o obelisco dedicado ao rei D. Pedro / View from the old Mercado do Bolhão, including the obelisk in Honor of King D. Pedro. Arquivo AMP
Mercado do Bolhão
O Mercado em 1910 / The Market in 1910. Arquivo AMP
Mercado do Bolhão
O Mercado do Bolhão em 1906 / Bolhão Market in 1906. Arquivo AMP

Foi em 1914 que, segundo o projecto de inspiração neoclássica do arquitecto António Correia da Silva, se iniciou a construção do actual edifício do Mercado do Bolhão. Foi, à data, uma obra pioneira no país e no mundo pois em pleno período de guerra dota a cidade de um admirável espaço comercial que em muito contribuiu para a moral dos habitantes. Afinal, o Porto sempre foi uma capital gastronómica. O Mercado do Bolhão, quer pela sua dimensão, localização ou propósito proporcionou condições únicas (até à data apenas comparáveis com as do Mercado Ferreira Borges) aos vendedores, o que marcou uma nova era em Portugal no que respeita a forma de comercializar produtos alimentares.

Mercado do Bolhão
Mercado do Bolhão

Os dias de hoje

Apesar da degradação física em que o Mercado do Bolhão se encontra, é a perseverança dos comerciantes que faz com que este preserve um caracter próprio e se mantenha fiel ao comércio tradicional. O Mercado do Bolhão, onde não entraram as balanças digitais e os vendedores são os mesmos há décadas, continua a ser o bastião dos mercados de comida do Porto.

As vendas começam cedo, e se vier da parte da tarde já encontra algumas bancas fechadas e alguns produtos esgotados. Mas aqui vai encontrar de tudo, a oferta é diversa e especializada. E não deixa de encontrar aquele vendedor que gosta de se meter com o freguês que passa, seja ele Português ou não. Os vendedores convivem pacificamente com a grande porção de visitantes que ali está apenas para ver e fotografar. Gente tão simpática, esta, que chega mesmo a deter a sua passada para não interromper a fotografia alheia.

Mercado do Bolhão
Manteigaria do Bolhão
Mercado do Bolhão
Mercado do Bolhão

Quando percorre os sombrios corredores do mercado cedo percebe a devoção dos vendedores aos seus produtos, pela forma como cuidam e organizam o seu espaço.

Nas bancas de hortícolas, são o aroma das frutas da época amadurecidas e as suas cores que o farão parar. Não faltam opções nas verduras, e a estação dita quando veremos hortaliças como grelos, hortos ou penca. Passará também pela banca dos ovos, e das azeitonas mergulhadas em salmoura com tamanhos, cores e sabores para todos os gostos. Não podiam faltar as leguminosas desidratadas, como os tremoços, favas ou feijões secos, armazenados nos sacos de sarapilheira e pesados com as antigas caixas medidoras de madeira, à espera de serem demolhados para as tripas à moda do Porto.

Os talhos e charcutarias são uma parte muito importante do mercado, com são exemplo os Talhos Nº1 e Nº2, a Salsicharia Leandro, a Salsicharia Branquinha ou a Salsicharia da D. Maria Pinto, onde a selecção de carnes frescas prima por todas as partes do animal. É frequente assistir-se ao talhante, de mangas bem arregaçadas, envolvendo numa bacia a mistura que mais tarde acabará nos enchidos dependurados pelos balcões. É um espectáculo digno de audiência, e também garante as tripas enfarinhadas artesanais mais frescas a que poderá ter acesso.

Nas peixarias, que muito abundam pelo mercado, as montras são cuidadas como se de verdadeiros aquários se tratassem, e o seu cheiro fresco a mar convida a quem passa. Há peixe bom, de olho negro e guelra fresca, por vezes sazonal, como sável e lampreia, sempre fresco e preparado a pedido. As lojas de congelados, que são essencialmente orientadas para os produtos marinhos, fornecem excelentes opções de pescado ultracongelado em alto mar, mas também marisco e outros petiscos congelados.

Já nas padarias, como a da Dona Madalena e a da Dona Rosa Pereira, encontra sensacionais regueifas esculpidas e broas de milho e de Avintes tão frescas e tão apetitosas que se tornam vício. Ainda há a “Senhora das pitas”, que há décadas vende pombos, patos, gansos, e galinhas e pintos de raça Portuguesa e acomoda as suas galinhas nas típicas gaiolas de feira.

Quem prima pelas flores poderá aqui encher o olho, sendo que há vendedores de plantas e flores, que trazem cor e natureza ao mercado. Pode encomendar arranjos ou flores especiais/sazonais por encomenda, como é o caso dos raminhos de violetas.

Mercado do Bolhão
Mercado do Bolhão
Tomates coração-de-boi / Oxheart tomatoes
Mercado do Bolhão
Galinha Amarela, uma raça Portuguesa / Galinha Amarela, a Portuguese chicken breed
Mercado do Bolhão
Mercado do Bolhão
Feijão vermelho / Red beans

Mas tudo isto apenas para quem quer fazer compras, já que pelo mercado também encontra locais para almoçar. No piso da entrada, tem o restaurante D. Gina e a Cafetaria Pintainho, ambos oferecendo uma esplanada repleta de clientela bem disposta e diárias económicas. Se subir um piso, encontra o famoso Nelson dos Leitões, de onde voam deliciosas sandes de Leitão da Bairrada.

Mercado do Bolhão

Sabemos perfeitamente que a visão dominada por andaimes não é a maior das atracções, mas talvez este estado de lamentável desarranjo tenha ironicamente contribuído para manter a autenticidade do Mercado do Bolhão, como um símbolo da resiliência portuense. Aqui encontra sempre sugestões acertadas para dar uso aos produtos vendidos, e vive-se um ambiente de proximidade com os vendedores e as suas causas. O Mercado do Bolhão está vivo e recomenda-se. Sempre que estiver por perto, entre e compre: encontrará tudo o que precisa. Apoie o comércio local e tradicional, vai ver que vai gostar.

Mercado do Bolhão
Mercado do Bolhão
Mercado do Bolhão

O futuro

A requalificação do Mercado do Bolhão vai mesmo acontecer. A postura da Câmara face ao destino do mercado tem sofrido muitas reviravoltas, e enquanto a intenção de demolir o edifício parece ter sido afastada, há ainda decisões pouco claras quanto ao futuro dos vendedores e do mercado tal como o conhecemos. As obras deverão iniciar-se neste ano de 2016, com um projecto de reabilitação de técnicos da Câmara do Porto e uma equipa coordenada pelo Arquitecto Nuno Valentim, com um orçamento um pouco superior a 20 milhões de euros.

Mercado do Bolhão
Actual projecto para a fachada / Current project for the facade
Mercado do Bolhão
Actual projecto para o interior / Current project for the interior

Numa cidade onde o centro histórico é classificado como Património Cultural da Humanidade pela UNESCO, não atender ao máximo à preservação de características arquitectónicas centenárias do Mercado do Bolhão será algo que deixará uma marca permanente nas gerações futuras que terão que crescer cada vez com menos do Porto à sua volta. É triste que o projecto de requalificação contemple a demolição das típicas barracas do Bolhão, desenhadas pelo Arquitecto José Teixeira Lopes, e possivelmente não contemplará também a preservação de outros traços originais do Mercado.

Mercado do Bolhão
Projecto das barracas do Bolhão, pelo Arq. José Teixeira Lopes. / Project for Bolhão's stalls, by Arch. José Teixeira Lopes. Arquivo AMP
Mercado do Bolhão
Actual projecto para a zona das barracas / Current project for the stall area
Actual projecto para a zona das barracas / Current project for the stall area

Só falando com os vendedores é que entendemos o que está verdadeiramente em causa. O longo realojamento temporário dos vendedores num mercado a ser preparado num terreno em frente ao Palácio do Bolhão, que se estende da Rua Formosa à Rua do Bonjardim, assusta alguns vendedores, temendo não conseguir voltar ao seu adorado Bolhão. Tal receio colide com a possibilidade das novas rendas do Mercado do Bolhão serem impraticáveis para os actuais vendedores, o que levará à perda da população típica que há décadas vende neste mercado, seguindo-se a invasão de outros formatos de negócio, ditos turísticos e gourmet. A questão da autenticidade, como lamentavelmente a perdeu um outro mercado desta cidade, poderá ser a pedra-de-toque do Mercado do Bolhão.

Mercado do Bolhão
FONTES:
ARQUIVO MUNICIPAL DO PORTO

7 replies on “Mercado do Bolhão – Porto

Deixar uma resposta